VAH e tudo o que você queria saber sobre transporte privado mas não tinha pra quem perguntar

São_Paulo_Downtown

O VAH é um aplicativo muito útil para quem costuma utilizar serviços como Uber, 99, Cabify e Easy.

Ele funciona de maneira bem simples: você coloca o local de origem e destino e ele compara os valores e tempo de espera da corrida nos principais aplicativos de mobilidade urbana. Além disso, ele já disponibiliza todas as promoções existentes no momento.

Depois de selecionar o serviço de preferência, ele já te direciona direto para o aplicativo.

Instalei esse app a alguns meses e vou aproveitar para escrever um pouco da minha experiência com cada um dos serviços aqui em São Paulo:

Uber

Uber pool: É o mais barato se não houver nenhuma promoção ou cupom de desconto nos outros, mas é uma caixinha de surpresas. Você divide o carro e o motorista não pode desviar do trajeto definido pelo app, então fica sujeito a dar voltas enormes ou pegar e deixar várias pessoas no percurso, tornando a viagem longa. Não pegue se estiver com pressa e evite nos horários de pico. Vale a pena para trajetos mais curtos e para usar nos domingos e feriados quando o movimento está bem baixo.

UberX: É um pouco mais caro que o pool, preço cheio na mesma faixa que o Easy Go e o 99 POP, mas o carro é só seu.

As vantagens do app da Uber são que ele tem muitos carros cadastrados (normalmente a espera é mais curta do que nos outros) e o atendimento ao consumidor é muito rápido e eficiente. Já disponibiliza atalhos para as principais reclamações e efetivamente resolve os problemas. Ex.: Se o motorista faz um caminho desnecessariamente longo e o valor da corrida aumenta ou existe qualquer outro problema na cobrança o valor é devolvido em poucas horas. A desvantagem é que a seleção deles não parece ser muito criteriosa, já peguei carros em estado lamentável e motoristas que me deixaram com medo de não chegar viva no meu destino. Outro problema que a Uber sempre tem é que mesmo com a tela de confirmação e preenchendo o endereço completo (com número certinho) TODA vez aparece o número errado para o motorista, o que gera uma certa confusão.

99

O 99 POP fica na mesma faixa de preço do UberX e Easy Go. Os carros e motoristas são um pouco melhores do que o Uber e tem bastante promoção, toda semana rola um cupom de desconto. Nos horários mais vazios você encontra táxi com preço reduzido por valores até mais baixos do que o POP. A maior desvantagem é que não tem aquele atendimento da uber então se o motorista ficar dando volta e o valor aumentar não tem tanto o que fazer- melhor ficar ligado no caminho pra evitar que isso ocorra.

Easy

O Easy Go fica na mesma faixa de preço do UberX e 99 POP. Os carros e motoristas são do mesmo nível do 99 e tem bastante promoção, toda semana rola um cupom de desconto. Nos horários mais vazios você encontra táxi com preço reduzido por valores até mais baixos do que o Go. A maior desvantagem é que não tem aquele atendimento da uber então se o motorista ficar dando volta e o valor aumentar não tem tanto o que fazer- melhor ficar ligado no caminho pra evitar que isso ocorra. Pode ser difícil encontrar carros disponíveis nos horários de pico.

Cabify

O Cabify tem os preços cheios mais altos de todos os outros serviços, mas tem muita promoção, mais do que qualquer outro. Recebo diariamente sms com código de desconto. Não sei até quando isso vai durar porque me parece uma estratégia pra promover o serviço, mas sempre que fica preço igual ou abaixo dos concorrentes eu uso a Cabify. Os carros são muito melhores do que das demais e os motoristas recebem treinamento, sempre dirigem bem e são extremamente educados e profissionais. Outra vantagem é o aplicativo te dá um valor fixo calculado no começo da viagem, então independente do caminho que o motorista utilize não tem surpresa.

Conselho final: Sempre confira se o cupom de desconto está lançado e se a opção certa está selecionada pra evitar problemas no final da viagem.

Se você tiver mais alguma dica ou dúvida sobre esses serviços por favor deixe aqui nos comentários!!

 

Frango com molho de gorgonzola

wp-image-152524535

Preparei essa receita para um jantar com a família e o sucesso foi estrondoso por isso resolvi dividir aqui com vocês. Como sempre é uma receita bem simples, eu raramente faço preparações muito elaboradas pra ser sincera, acho mais importante ter uma comidinha gostosa à mesa do que performar malabarismos gastronômicos.

Ingredientes:

500 gramas de peito de frango

170 gramas de que queijo gorgonzola

200 ml de creme de leite fresco

1 cebola picada

1 dente de alho picado ou espremido

Azeite (ou óleo), tomilho, salsinha, sal e pimenta do reino a gosto

Modo de preparo:

Corte o frango em tiras médias e tempere com tomilho (usei o seco porque era o que tinha disponível, mas fresco é melhor ainda), alho, sal e pimenta do reino. Deixe descansar na geladeira com esse tempero por cerca de uma hora.

Aqueça bem uma frigideira com um fio de azeite ou óleo e sele os pedaços de frango em fogo alto: você deve colocar a proteína aos poucos, a intenção é dourar o frango sem se preocupar com cozinhar completamente. Para essa quantidade dividi em 4 vezes. Vá selando e reservando os pedaços num refratário.

Em seguida vamos ao molho- Na mesma frigideira coloque mais um pouco de azeite e a cebola e refogue em fogo baixo até ficar macia. Acrescente o gorgonzola e o creme de leite fresco. Volte o frango para a frigideira e mantenha em fogo baixo mexendo delicadamente por cerca de 10 minutos para apurar um pouco o molho e terminar a cocção do frango. Acerte o sal e a pimenta do reino. Finalize com salsinha picada pra dar um verdinho bonito pro prato.wp-image-940041439

Sirva com arroz de brócolis e farinha torrada, com purê de batata e legumes salteados ou com pão fresco como petisco e receba os elogios. =)

Sugestão de harmonização – Brooklyn Post Road Pumpkin Ale
wp-image-992423385

Art Nouveau

Eu continuo não sabendo quase nada sobre arte mas como dizia o poeta: entendo de Art Nouveau, tenho até tatuagem sobre o assunto. Várias inclusive. =p

Conforme o século XIX se aproximava do fim, a crença que a humanidade estava a beira de inaugurar um caminho que levaria à satisfação de seu mais elevado destino, digno de sua elevada posição natural, era largamente promovida por filósofos e artistas. (…) Essa teoria nobre e idealista era em parte uma reação positiva aos avanços tecnológicos e econômicos sem precedentes da época. (tradução livre de um trecho do prefácio do livro: Alphonse Mucha, de Sarah Mucha)

O movimento Art Nouveau se desenvolveu entre 1890 e a primeira guerra mundial (1916-1918) contrapondo-se ao historicismo da arte acadêmica e buscando aproximar as belas artes do artesanato. Refletindo e acompanhando as inovações da sociedade industrial, o estilo privilegiava a utilização de materiais modernos como o ferro, o vidro e o cimento, dialogava com a produção em série e tem entre suas maiores obras: cartazes publicitários, móveis, construções, jóias e objetos decorativos.

Também se diferencia das correntes artísticas anteriores por sua proximidade às artes aplicadas e sua intenção de democratizar a produção artística. Todos esses aspectos peculiares auxiliaram na formação e consolidação da chamada arte moderna, designação que agrupa diversas expressões artísticas a partir do final do século XIX até a metade do século XX.

Esteticamente, é caracterizado pelas formas orgânicas, sinuosas, exuberantes e por vezes sombria, a ornamentação inspirada em folhagens e florais e influências das gravuras japonesas, do barroco e do rococó francês.

O termo tem origem na galeria parisiense L’Art Nouveau, aberta em 1895 pelo comerciante de arte e colecionador Siegfried Bing. O estilo se espalhou pela Europa rapidamente desenvolvendo aspectos e denominações particulares:  Na Alemanha, é chamado jugendstil, em referência à  revista Die Jugend, 1896; na Itália, stile liberty; na Espanha, modernista; na Áustria, sezessionstil.

São expoentes do movimento:

 

Os franceses Hector Guimard e Emile Gallé

 

Os belgas Victor Horta e Henry van de Velde

 

O espanhol Antoni Gaudi

Sagrada_Familia_nave_roof_detail
Teto da nave da Igreja da Sagrada Família

 

O tcheco Alphonse Mucha

Savonnerie_de_bagnolet_Alfons_Mucha
Savonnerie de Bagnolet (1897)

 

O alemão August Endell

Atelier_(Hofatelier)_Elvira
Atelier Elvira

 

O holandês Jan Toorop

Jan_Toorop_-_The_New_Generation_-_Google_Art_Project
The New Generation

 

Os austríacos Gustav Klimt e Joseph Olbric

 

O suíço Ferdinand Hodler

Ferdinand_Hodler_005
Night, 1889–1890, Berne, Kunstmuseum

 

O americano Louis Comfort Tiffany

Louis_comfort_tiffany,_lampada_da_tavolo_pomb_lily,_1900-10_ca.

 

O inglês Aubrey Vincent Beardsley

Venus_between_terminal_gods_beardsley
Venus between terminal gods

 

 

Fontes:

https://www.historiadasartes.com/nomundo/arte-seculo-20/art-noveau/

ART Nouveau. In: ENCICLOPÉDIA Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. São Paulo: Itaú Cultural, 2017. Disponível em: <http://enciclopedia.itaucultural.org.br/termo909/art-nouveau&gt;. Acesso em: 02 de Ago. 2017. Verbete da Enciclopédia.
ISBN: 978-85-7979-060-7

MUCHA, Sarah; LIPP, Ronald F. (Ed.). Alphonse Mucha. Grã-bretanha: Frances Lincoln, 2005. 159 p.

Arroz (ou cuscuz) de couve-flor

Não sou paleo, nem low carb. Não sou raw, nem gluten free, nem detox. Também não sou vegana, ainda estou dando os primeiros passos pra reduzir o consumo de produtos animais, começando pela introdução de outras opções.

Gosto de comer de tudo e tenho curiosidade de experimentar receitas de todos esses nichos muito mais pelas vantagens gastronômica do que pelas nutricionais, por isso resolvi testar essa idéia do arroz de couve-flor, amplamente utilizado para substituir o carboidrato em diversas dietas.

O passo a passo é bem simples: Lave a couve-flor, rale ou passe por um processador de alimentos para obter pedacinhos bem pequenos e refogue na frigideira com azeite e sal por cerca de 10 minutos. Nessa primeira experiência não adicionei vegetais e temperos porque queria justamente analisar o sabor e textura.

Gostei bastante do resultado que substitui bem o arroz ou cuscuz pra acompanhar cozidos e outros pratos mas tem um sabor claro de couve-flor então talvez não funcione para quem não aprecia o vegetal.

Testarei receitas mais elaboradas e volto pra contar o resultado, enquanto isso algumas sugestões:

  • Com coentro e limão
  • Com alho e limão
  • Com cebola, abobrinha e pimentão picadinhos
  • Um tabule adicionando tomate, cebola, limão, salsa e hortelã picados depois de tirar a couve-flor do fogo.
  • Com cogumelos salteados
  • Com cenoura picada, ervilha e milho.

Rosbife

20170728_104432Uma receita de rosbife de miolo de alcatra que é simples de preparar e ótima opção para servir em festas e jantares. Impressiona os convidados e pode ficar pronto com antecedência sem a necessidade de aquecer na hora de servir.

Utilizei esse corte porque já tinha a carne no freezer cortada e amarradinha pra manter o formato, mas a receita também pode ser feita com filet mignon ou lagarto cortados em uma peça cilíndrica de cerca de um quilo e meio (também conhecido como aquele corte tradicional de rosbife).

Comece picando bem os temperos: nesse caso eu utilizei pimenta do reino, alecrim e tomilho secos, um pouquinho de pimenta síria e sal, mas você pode utilizar qualquer combinação de especiarias e temperos mais sequinhos.

20170728_103905

Em seguida seque a peça de rosbife com um papel toalha e cubra com o tempero, espalhando uniformemente por toda a carne.

20170728_103956

É importante secar a peça e usar marinada seca para possibilitar a selagem da carne e formação de uma crosta torradinha bem bonita e saborosa.

Pré aqueça o forno a 220 graus.

O próximo passo é justamente a selagem: Você vai aquecer uma frigideira de fundo grosso com um pouco de óleo ou azeite até sair aquela fumacinha e dourar bem a carne, de todos os lados, em fogo alto. Sem ficar com timidez nessa hora porque é essa crosta dourada que vai dar sabor pro seu rosbife. Não manipule a carne com garfo pois os furos fazem a carne perder líquido, o que pode deixar a carne ressecada.

20170728_104035

Enquanto esse processo se desenrola, pique uma cebola em fatias, distribua no centro de uma assadeira e regue com um pouquinho de azeite, formando uma base que evita que a carne grude na panela e facilita a preparação do molho.

Quando seu rosbife já estiver bem dourado como esse aqui da foto, arrume ele na assadeira e coloque no forno. Asse por 10 a 15 minutos para terminar a cocção. Menos tempo pra quem prefere mais mal passado, mais pra quem gosta de bem passado. De qualquer forma o rosbife tem que ser rosado então eu recomendo ficar nos 12 a 13 minutos e nunca, de jeito de nenhum, ultrapassar esse limite de 15. As carnes utilizadas pra essa receita são sempre magras e se você assar demais vai ficar uma coisa seca e impossível de comer.

20170728_104303

Agora que o rosbife está pronto, tire ele da assadeira pra descansar e faça um molhinho: Coloque as cebolas numa frigideira em fogo baixo com mais um pouco de azeite e uma colher de sopa de farinha de trigo. Quando estiver incorporada vá acrescentando vinho aos poucos e mexendo e deixe no fogo até que a farinha esteja cozida. Bata esse molho no liquidificador ou mixer pra triturar as cebolas, tempere com alecrim picado e acerte o sal. Se você quiser um molho mais encorpado dá pra finalizar com um pouco de creme de leite fresco. Não tenho foto do molho porque eu esqueci de fazer, não vou mentir pra você. Prometo que da próxima vez que eu assar um rosbife eu faço um post com o passo a passo do molho e coloco aqui.

20170728_105038

Mesmo se optar por não fazer molho o assado precisa descansar por pelo menos 10 minutos antes de ser fatiado. O rosbife pode ser servido como principal e as sobras são ótimas para sanduíches e saladas. Escolha os acompanhamentos de acordo com o clima: no calor uma salada de folhas e legumes é uma opção maravilhosa, já no frio eu prefiro servir com purê ou batata gratinada por exemplo.

20170728_104540

 

 

Seis dias para um arco-íris

Tenho interesse por arte em geral mas meu conhecimento técnico e acadêmico é praticamente nulo. Estou começando agora a aprender um pouquinho e sou absolutamente incapaz de produzir textos profundos e bem fundamentados sobre o tema. Vamos ter espaço para isso em colaborações maravilhosas, mas no meio tempo eu vou tentar falar sobre temas ou trabalhos que me marcam.

Seis dias para um arco-íris é um projeto de Alessandra Duarte que constrói uma representação visual da violência homofóbica e transfóbica no Brasil:

parede_baixa.jpg

A cada dia a artista Alessandra Duarte pinta uma tela. Se não houver nenhum assassinato de natureza homofóbica ou transfóbica relatado no dia, a tela carrega uma das cores do arco-íris, seguindo a sequencia das cores da bandeira do movimento LGBTQ. Um arco-íris forma-se através de seis dias consecutivos de cor, começando com uma pintura vermelha e terminando em uma tela violeta, simbolizando seis dias sem homicídios. Porém, a formação de um arco-íris é impossibilitada sempre que há um assassinato. Neste caso, faz-se um retrato ou representação em preto e branco da pessoa, ou pessoas, que foram mortas naquele dia. Retorna-se à tentativa de formar um arco-íris no próximo dia sem homicídio, começando novamente pelo vermelho.” (Texto transcrito do site do projeto)

img_2589

Vivemos um momento de tensão e instabilidade política e econômica que fomenta o crescimento de movimentos conservadores e de extremas direita. Simone de Beauvoir disse: “Nunca se esqueça de que basta uma crise política, econômica ou religiosa para que os direitos das mulheres sejam questionados. Esses direitos não são permanentes. Você terá de manter-se vigilante durante toda a sua vida.” Essa verdade pode ser ampliada para incluir todos os outros grupos historicamente vulneráveis, vide a atuação da bancada evangélica no legislativo nos últimos anos.

img_2585-3

A força da obra está em nos confrontar com a frequência alarmante dos assassinatos que podem passar despercebidos por não receberem uma cobertura midiática adequada e por nossa crescente dessensibilização. O contraste das cores da bandeira com os retratos em preto e branco me remetem a uma discussão muito presente nos movimentos sociais: até que ponto os avanços conquistados são efetivos em proteger essas pessoas das violências reais?

Veja o trabalho completo no link do projeto e outros trabalhos no site da artista.

 

Virall Retrô

A Virall é uma marca de lingerie e moda praia que faz peças sob medida. Como o nome já entrega, o estilo predominante tem um toque retrô bem interessante e equilibrado com as tendências atuais em designs lindíssimos.

logo.jpg

Tocada por mulheres e com o lema: Para as gatinhas de todos os tamanhos, a diversidade da marca não está só na medida das peças mas também na escolha das modelos que estrelam as campanhas e fotos do site. Maravilhoso, né?

Sou feliz proprietária de diversas peças, mas meus xodózinhos são a calcinha e o sutiã tule poá: eles são super confortáveis, não marcam mesmo debaixo de roupas mais justas, são lindos e sensuais. Além de tudo isso se provaram super duráveis e bem feitos, tenho algumas peças com mais de um ano de uso intenso que estão perfeitas, sem nem um fiozinho descosturado. Minha calcinha e sutiã preferidos sem dúvida!

450xN (1)

Os produtos podem ser comprados pelo site ou pela página do Facebook, só vale lembrar que é tudo feito por encomenda e leva uma média de 15 dias para fabricação.

Vai lá no site e na página do Facebook dar uma olhada nessa lindeza toda!

 

Couve-flor assada com curry

 

Já experimentou assar couve-flor?

Esse ingrediente aparentemente sem graça se transforma no forno, ganhando uma casquinha dourada e adocicada que equilibra com perfeição a picância do curry. Além de tudo é uma receita facílima, rápida e saudável. Não tem como ser melhor.

Comece pré aquecendo o forno a 240 graus. Enquanto isso, lave a couve-flor e corte em floretes. Os pedaços não precisam ser tão homogêneos- inclusive prefiro ter alguns menores pra ficarem bem douradinhos e crocantes- e pode aproveitar a couve flor toda cortando os talos em pedaços médios.

Coloque a couve-flor cortada em um bowl ou vasilha, regue com azeite e misture bem para cobrir todos os pedaços (esse passo é muito importante pra garantir que e vegetal doure bem no forno). Em seguida tempere como sal e curry e mexa novamente para distribuir bem os temperos. Cuidado para não exagerar, vá colocando aos poucos e mexendo até chegar na quantidade desejada. Quem não gosta de curry pode substituir por páprica, pimenta síria, lemon pepper ou apenas sal e pimenta do reino.

Distribua a couve-flor em uma assadeira grande, de forma que fique bem espalhada. Se estiver muito cheia a couve-flor vai ficar molenga antes de dourar.

Asse por cerca de 20 minutos, virando os pedaços depois de cerca de 12 minutos para que os dois lados fiquem torradinhos.

Esse prato pode ser servido como acompanhamento, como principal (com arroz, feijão e salada por exemplo) ou ainda como entrada (acompanhado de um molho cremoso fica delicioso).